“Sempre falávamos sobre isso em casa” diz mãe de doador de órgãos na Hoesp

“Sempre falamos sobre isso em casa. Meu marido é caminhoneiro, vive na estrada, vive no perigo, então sempre falamos que se algo acontecesse era para doar os órgãos”. Essas são as palavras da Sirlei Terezinha Vogel, que perdeu o filho há mais de um ano. O “sim” da família foi importante para salvar vidas, mas o importante nessa decisão foi a conversa que sempre tiveram. “Quando ele estava na UTI nos últimos dias sentimos que ele já não estava mais ali, não tinha mais reações. Quando íamos visita-lo os batimentos cardíacos aumentavam e depois isso não aconteceu mais, então sentíamos que algo estava errado. Foi quando o médico nos chamou e explicou sobre a morte encefálica. A partir dai a equipe nem precisou nos procurar, eu já disse que se o pior fosse confirmado eu queria doar os órgãos”, conta Terezinha.

 

Essa decisão não gerou dúvidas para a Terezinha, mesmo assim, o momento foi de muita dor. “Sabíamos que náo tinha outra escolha, mas fomos bem acolhidos. Doeu e ainda dói bastante, sentimos falta, choramos, mas sabemos que os órgãos puderam salvar outras pessoas”, diz.

 

E uma dessas pessoas viu as notícias sobre o acidente do filho de Terezinha e a procurou para contar que havia recebido o transplante de coração. “Quando assinamos a doação era explícito que não poderíamos procurar as pessoas que recebem os órgãos, mas uma dessas pessoas viu a notícia e quis nos conhecer. Ele veio nos visitar, o abrecei sentindo o coração do meu filho batendo novamente. É uma sensação que não é possível explicar”, comenta Terezinha.

 

Foram 18 famílias que disseram o “sim” para doação de órgãos em 2023. A taxa de aceite permanece em cerca de 90% na Hoesp/Hospital Bom Jesus, uma das maiores taxas do Paraná e do país. “É um trabalho de toda a equipe, que é bem treinada e capacitada para realizar a identificação dos pacientes, o acolhimento da família até que decidam entrar no processo da doação”, explica o coordenador da CIHDOTT, Itamar Weikank.

 

São 19 anos da Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos (CIHDOTT) na Hoesp. Em todos estes ano não é difícil mensurar quantas vidas já puderam ser salvas. “Cada doador pode salvar de 8 a 10 pessoas, mas alguns órgãos acabam não sendo doados dependendo do exame/sorologia que pode impedir a doação de algum órgão, portanto, a média é de 3 órgãos transplantados para cada doador. No ano passado, pelo menos 60 vidas puderam ser salvas”, ressalta Itamar.

 

E quando falamos em salvar vidas podemos afirmar que o gesto é de amor. “É importante que as pessoas falem sobre isso em casa. Quem aguarda por um órgão aguarda com angústia até que tenha a notícia de que poderá viver novamente depois do transplante. São vidas que podem ser salvas!”, enfatiza Itamar.

 

Hoesp

 

Entre para os nossos grupos:

Compartilhe:

Últimas notícias

Imagem de Nossa Senhora Aparecida é encontrada intacta após inundação em padaria no RS

Um vídeo ganhou destaque nas redes sociais durante as enchentes no Rio Grande do Sul. Após

Imagem de Nossa Senhora Aparecida é encontrada intacta após inundação em padaria no RS

Um vídeo ganhou destaque nas redes sociais durante as enchentes no Rio Grande do Sul. Após

PRF recupera na fronteira Hilux roubada no Rio de Janeiro

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou na manhã desta sexta-feira, 17, em Terra Roxa (PR), uma

Polícia intercepta veículo suspeito na PR 487 e apreende grande quantidade de drogas

Nesta quinta-feira, 16 de maio, por volta das 22h, equipe policial foi informada via denúncia da

ROTAM detém indivíduo com mandado de prisão em aberto em Toledo

Na noite de ontem, quinta-feira, dia 16 de maio, uma equipe da ROTAM, ciente de um

Chamar no whatsapp
Envie sua denúncia ou entre em contato
Envie sua denúncia ou entre em contato